Blog da Oficina

Tropicália

- Bo-boa noite...
- Vai ficar parado ai?
- Acredito que eu seja teu parceiro.
- Sente-se.
- Obrigado.

Aproxima-se, sem olhá-la nos olhos.

- Então?
- Os outros ficaram para trás...
- Isso é óbvio.
- ...
- Por que não me paga uma bebida?
- Claro... O que gostaria?
- Qualquer coisa sem álcool, que ajude a esquecer do sabor de ácido fólico.
- Certo. Pedirei o mesmo para mim.
- Muito querido de sua parte.
- Legal este pub... Qual é mesmo o nome?
- Falópio. E é apenas uma tuba uterina. Nunca tinha visto?
- Não. Mas gostei da decoração.
- Que bom.
- Só achei aqueles seguranças um pouco truculentos.
- São anticorpos.
- Eliminaram meus amigos.
- É o trabalho deles.
- Espero que não estejam mais ali na hora de pagar a conta.
- Fale de ti.
- Bem, diariamente encaro o serviço burocrático do Banrisul...
- Quero saber sobre você, não sobre seu doador.
- Não sei o que dizer.
- Não gosto de gametas sem personalidade. Esse foi o problema com os espermatozoides do outro cara.
- Como assim?
- Sou dotada de personalidade e organelas. As células reprodutoras masculinas sentem-se muito atraídas pelos sinais químicos que libero. Nadam por horas em minha direção, mas ficam sem atitude diante do meu temperamento quando me encontram.
- Realmente você intimida.
- Mas é involuntário, a ovogênese me fez assim.
- Talvez seja por ter o dobro do nosso tamanho.
- Mas que bobagem. Não sou uma viúva-negra, não vou matar meu parceiro após a fecundação. Por falar nisso, vamos fecundar?
- Você quer?
- Muito. Gostei desse teu jeito tímido.
- Podemos esperar um pouco?
- Pelo quê?
- Mal nos conhecemos.
- E daí?
- Podemos conversar mais?
- Tipo terapia de casal?
- Gostaria de entrar mais no clima.
- ...
- Fazer um zigoto exige muita responsabilidade. Já pensou em quantas divisões ele será submetido?
- Para alguém que nadou tantas horas, você pensa muito.
- Não te preocupa em saber que tipo de embrião estaremos criando?
- Sinceramente, não. Os genitores dele me parecem pessoas responsáveis e tranquilas.
- Não se esqueça que se trata de uma inseminação. Posso dizer que o pai biológico não é muito responsável...
- Bem, não é ele que vai assumir esse papel. Relaxa.
- Mas...
- Não pensa, senão estraga... Chega mais perto...
- Assim?
- Isso... Devagar...
- Certo...
- Espere. Está ouvindo?
- Sim, é Caetano Veloso. Meio inadequado para se tocar em um pub.
- Você não está entendendo. Eles escutam esse CD sempre que tentam fazer bebês.
- Sério?
- Sim. Tem algo a ver com o show onde se conheceram, se não me engano.
- Mas eles estão fazendo sexo? Eles fizeram uma inseminação artificial e mesmo assim estão fazendo sexo?
- Não é só procriação. Lembra a Rita Lee? Amor é bossa nova...
- Pra mim isso é novidade.
- Devem estar felizes. E eu também. Já escutei inúmeras vezes todas essas músicas. Acho que vão dar um tempo ao longo da gestação.
- Não sei quanto a você, mas eu prefiro o Gilberto Gil.



***

Maurício Schames é formado em Educação Física e possui Doutorado em Geriatria e Gerontologia pela PUCRS. É Gestor Empresarial e sempre gostou de escrever. Em 2016 ingressou no Curso de Formação de Escritores na Metamorfose Cursos. Já participou de algumas coletâneas, como 101 que Contam, Diálogos, Anti-Heróis, Pra ver a banda passar e publicou o livro Relatos e Delírios. Participou do Curso Livre de Formação de Escritores da Editora Metamorfose.


Deixe seu comentário abaixo.

Mauricio Schames
06/10/2019

 

 

Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela