Blog da Oficina

GPS

Berta está parada em frente ao espelho, as cortinas e janelas do quarto abertas. Pergunta-se quando haviam surgido as rugas tão profundas enquanto as percorre com os dedos. Envolvida pela brisa suave, sente arder a saudade no peito. Calça os chinelos, sempre a postos ao lado da cama, e vai até a sala, onde observa o brilho da rua estender-se pelo caminho entre os aposentos. Agradece em silêncio antes de continuar.

A passos lentos, desce a escadaria, local de tantas lembranças e sermões: o marido apenas levanta o dedo e os pequenos retrocedem. Ela sorri e busca apoio na barra para aumentar o ritmo, quer chegar logo ao hospital. Sua irmã trabalha lá, então não será um problema visitar um paciente no meio da noite. Carros e motos passam ventando por Berta, a zona central de Passo Fundo pulsa como seus motores. Um menino de rua se aproxima:

– Tia, tem uma moeda?

– Se tu chamar um táxi ali em cima, a vó te dá duas moedas!

O menino sobe a avenida e orienta o taxista mais próximo, Seu Adão, a descer até a esquina para pegá-la. Ela entrega as moedas ao menino e entra no carro, onde pede ao motorista que dirija até o Hospital da Cidade. No trajeto, Adão observa o olhar de Berta, suas pupilas brilhantes perdidas no mar de prédios, luzes, algazarra e novidades.

– Dando um passeio noturno, então?

– Vou visitar meu marido no hospital. – Ela olha ao redor, à busca de uma memória, e prossegue. – Quanta coisa diferente, né? Ainda ontem eu tinha a casa de jogo do bicho ali, ao lado da Catedral. Meu marido, o Luíz, vendeu muito Correio do Povo na banca, foi representante.

– Ele tá bem?

– Sim, sim. A gente fica velho e baixa hospital por qualquer resfriado. Tô indo porque é Natal e não quero esperar até amanhã.

Seu Adão, acostumado com bêbados e papos cabeça nas noites trabalhadas, esboça um sorriso sem dentes pelo retrovisor e se cala. Prefere deixar a passageira criar seu próprio itinerário mental e seguir viagem. Estaciona no recuo para pedestres do Hospital, desce, abre a porta do carro e auxilia Berta em sua descida. Ela agradece e entra na recepção, a camisola espiralando com o vento.

– Vim visitar o meu marido. O nome dele é Luíz Martins.

– Perdão, senhora, mas não são permitidas visitas nesse horário.

– Minha irmã é enfermeira aqui, Clara Vaz. Deixa eu falar com ela, é só hoje, porque é Natal.

– Um minuto, por favor.

A recepcionista vai até uma sala ao fundo. Retorna com duas colegas.

– Minha senhora, acho que há algum engano - começa a supervisora. - Não temos registro de uma enfermeira chamada Clara e seu esposo não está hospitalizado aqui. Quem sabe não seja no Hospital São Vicente?

– Não, não - ela responde, já preocupada. - Meu marido está aqui e minha irmã trabalha nesse hospital há anos.

– Sinto muito, não os localizamos.

Seu Adão percebe a altercação e dá uma última tragada em seu cigarro. Entra e, na troca de olhares com as plantonistas, sugere à senhora que retornem, quem sabe tudo não passa de um mal entendido, um erro de percurso. Berta não reluta. Acompanha o taxista até o carro e senta no banco da frente. Contempla a rua com o olhar desbotado, o azul de seus olhos engolidos pela noite.

O retorno é rápido e Adão decide acompanha-la até a porta. Ela está sem chave e a única transação da noite havia sido a conversão de moedas em balas - o menino observa a chegada dos dois a poucos metros. Adão toca a campainha algumas vezes até que uma senhora surge, ainda num estado de transe, na varanda da casa. Ao ver Berta com o homem, seu coração dá um solavanco. Apressa o passo até a entrada, mais hábil que a irmã na descida, e abre a porta em desespero. “Berta!”, exclama.

– Boa noite, desculpe pelo susto. Levei essa senhora até o hospital da cidade, ela diz ter uma irmã que trabalha por lá, queria visitar o esposo.

– Sou irmã dela, meu nome é Clara.

– O Luíz está por aqui, então?

– Já me aposentei há anos. Meu cunhado faleceu há algum tempo.

– Entendo... Ah, as corridas fecham 38 reais.


***

Jeferson Haas é jornalista formado pela PUCRS e iniciou este ano o Curso Livre de Formação de Escritores na Metamorfose para resgatar a relação com as palavras. Recebeu o 2º lugar no 31º Concurso Internacional de Composições Epistolares para jovens (RS - 2002), passou por oficinas de Escrita Criativa, fez teatro e hoje atua como frila, com foco em redação e marketing. Participa do Curso Livre de Formação de Escritores da Editora Metamorfose.


Deixe seu comentário abaixo.

Jeferson Haas
25/12/2019

 

 

Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela