Advogado de bandido

José Carlos Laitano

Como exercício de oficina literária, elaboro projeto de criação de personagem e escolho um advogado de bandido. Pura ficção, dona Frida.
No exercício, tento responder às perguntas que os jornalistas fazem para compor uma notícia. A primeira é quem. O personagem é advogado, que prestou juramento de honestidade e tudo o mais para começar na profissão.
Depois é como. Para tornar-se advogado de bandido, a primeira dificuldade é conseguir clientela. Em geral, bandido já tem seu advogado. Meu personagem precisa de bandido novo, tipo guri.
Se o bandido é pé-de-chinelo, o advogado investe na criatura esperando que, num futuro próximo, pratique crimes melhor remunerados. Trabalha de graça na primeira prisão; logrando absolver o gajo, obtém fama. Talvez consiga que um bandidão, que continua na cadeia, troque o defensor.
Se o novato no crime é um empresário, tipo corrupto, provavelmente será do time de quarto escalão, intermediário, laranja, essas coisas. O meu advogado de bandido sabe que terá que subir a escada da fama e quanto mais fama, mais polpudos os honorários.
Todas as manhãs toma café lendo jornal e lá estão os medalhões do Direito em Brasília, São Paulo, Rio, faturando milhões e os milhões resultam do desvio de dinheiro público; se é público, é de todos; e se é de todos, é meu também, ele conclui. Se a grana não provém do governo, surge do tráfico, ou do roubo, ou do sequestro, nada que importe, meu advogado de bandido preocupa-se em contar cédulas. Até chegar lá no topo, meu personagem sonha ter um cliente desse naipe.
A terceira pergunta é onde. Faz plantão na porta da delegacia. Escritório mesmo, por enquanto, fica num corredor escuro de um edifício fajuto. Mas um dia terá gabinete em Brasília, ou – glória aos céus! – no exterior.
Quando. Um dia, um guri é preso. Para ser interrogado, precisa defensor presente. Só tem aquele que faz plantão na porta. O policial chama o doutor e o doutor vira advogado do guri bandido.
A partir daí ele surrupia provas, tenta induzir juiz em erro, afronta a vítima para esquecer a denúncia. Quando for famoso, pressionará deputados, promotores, juízes, para que seu cliente não seja denunciado, especialmente se o cliente for governador ou presidente. Mas, por enquanto, quando o novo cliente começa a chorar que não tem dinheiro para os honorários, ele ensina, didaticamente: faz um assalto, meu, e traz a grana.
Como o guri ainda é porcaria e o juiz tem mais jeito de pai do que julgador severo, o iniciante é solto, fica feliz e, na vila, distribui cartão de visita do doutor. Então o meu personagem começa a faturar. Ainda é pouco, mas é um começo.
Como vê, dona Frida, basta o advogado aprender uns macetes e logo muda o escritório para o centro da cidade. Aparece um empresário-cliente;o advogado entra para um partido político, ali temmais gente para indicá-lo; e andar perto de certos políticos é como ter um possível cliente na mão.
Agora meu personagem é alta figura no partido do governo, até indicou ministros para a Suprema Corte, só trabalha para cliente rico. No governo do presidente amigo recebe muitos milhões de honorários só de uma construtora envolvida em escândalos. Meu personagem chegou lá,agora é advogado de bandido, mas é gente fina.
Um dia perguntam a ele se advogado de bandido não integra o crime organizado, afinal parte do butim ele embolsa. Meu personagem muda de assunto e até ameaça com processo.
O advogado de bandido é o meu melhor personagem.

 

Comentários:

PERFEITO!
Ecilda, Porto Alegre-RS 02/06/2015 - 10:48

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "442102" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela