Estamos Quites, de Jorge Fróes

Sidnei Schneider

 

Primeiro livro individual de Jorge Fróes, Estamos quites (Vidraguás/ Escola de Poesia: 2015)é a seleção de uma vida de escritos sem o dano da pressa e com o rigor efetivo de poeta. Se antologias, jornais e revistas veicularam sua poesia, agora colhe na unidade do livro a fabricação do melhor.

 

Negro, o poema que abre o volume, desarma uma frase-ofensa, recoloca-a no seu devido lugar e reduz ao ridículo o ofensor. Exala superioridade moral, consciência política do ser negro, salientada através da tranquilidade de ser dono de si. Não que o bate-pronto tenha deixado de ter lugar: se for o caso, já defendia Cruz e Sousa, “Bendita seja a negra boca/ Que tão malditas coisas diz!” Mas sentir a força que se tem não é tarefa fácil, mesmo em se tratando da força de um povo inteiro. Além de inegável habilidade para a poesia, é precisoter incorporado a disposição de luta e a visão ampla de Zumbi, José do Patrocínio, Luís Gama e muitos outros; sentir no sangue o que passa por Palmares, pela sublevação até o fim da escravatura e pela progressiva luta pela soberania.

 

NEGRO

 

“Negro é negro mesmo”

Negro é negro mesmo

Negro é negro mesmo

E o que haveríamos de ser

Apesar de todas as armadilhas

(roxo, amarelo, verde)?

“Negro é Negro mesmo”

Com muito orgulho. Negro é

Negro mesmo.

 

A saga continua, “Minha força não aceita/ comparação com o Super-Homem”, “Minha força luta todos os dias,/ por casa, comida, lazer;/ dignidade para a vida humana”, e reverencia o poeta de Encontrei minhas raízes, o amigo Oliveira Silveira: “Eis que me descobri,/ E me descobrindo, descobri/ que minha força é/ uma Força Negra” (Descoberta). Visto que, sem a presença do amigo, “Há fogo, mas não a chama acesa” (A falta).

 

O central é a justiça, não só a histórica, o desejo de ser justo a cada evento: Esquecer dói mais que lembrar” (Mar), “Aquilo que não foi pintado./ É o que desejo ver”, sobre Debret (Autorretrato em aquarela), “Há dias em que algumas palavras/ soam como bombas. Ciente disso/ é que as escolho como quem escolhe/ uma roupa, um livro, uma fruta” (As palavras). E um já clássico: “Danço porque o vento dança,/ as flores, os bichos,/ e esta é minha forma de integração./ Danço para que lanças-de-desrespeito/ não me atinjam,/ sobretudo danço,/ porque vozes do passado cantam/ e eu respondo” (Danço).

 

A sedução da mercadoria, numa época em que o mercado se esvai e é substituído pelo monopólio e seu marketing excessivo, gera poema singular: “Diferente das lojas/ de bichos, não pulam,/ não latem, não cantam,/ mas silenciosamente/ imploram” (Os sapatos). Adiante, o tema é retomado: “Como é possível os objetos/ falarem mais que as pessoas?” (Ausência). Porque importantes são “os livros, os amigos e a amada” (Oração). O que se vende e se compra resulta num verso: “Você sabe o que é um negro?” (A escravidão).

 

Jorge é mestre na surpresa ao convocar o humor: “Sim, seremos firmes e inarredáveis!/ Veio a chuva/ e todos corremos” (A balada dos inarredáveis). Após listar a terrível situação que enfrenta a maioria, refuta qualquer aceitação cotidiana do inaceitável através do seu contrário: “Eu vou para casa/ ligo a TV e dou risada”. (Um poema de horror). E é craque nos versos finais: “A tua volta fundou meu abandono” (Da volta da ida), “Agora, vazio de métodos,/ aguardo o amor” (Regresso).

 

O objetivo do poeta: fazer um poema tão bom que possa ser trocado por uma cuca (Cuca e poesia), defender-se do ataque através de salto-mortal que desconcerte, “o golpe que não toca” (O diabo). Através da reiteração do melhor que alguém pode oferecer, este melhor ganha novos significados em Fundo. Jorge incorporou noção semelhante à de Seu Nenê da Vila Matilde, a quem tive a honra de conhecer, “Se não lutar e não fizer bem feito, não fica nada para o futuro”, e prossegue quites enquanto criador.

___

Prefácio do livro, acrescido do poema Negro, disponibilizado pelo autor.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "431704" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela