Quando errar faz bem ao paladar

Cláudia de Villar

Nem todos gostam de errar. Aliás, poucas são as pessoas que não ficam chateadas quando o erro acontece. Principalmente no momento da escrita de um livro. Quando o livro é produzido ele é feito para dar certo. Correto? Sim. E quando dá errado? Viva! Como assim? Calma, calma... Não queremos sair por aí produzindo obras que causem pânico e repulsa. Queremos impactar. Por isto o erro na hora certa poderá produzir o primeiro impacto. Este impacto fará nascer a boa leitura.

Antes de sair por aí dizendo “Está pronto! Está pronto!”, o escritor deve se permitir errar. O primeiro indivíduo a constatar os erros deve ser ele. Após escrever é primordial que se coloque no lugar do leitor e procure os furos. Devemos nos perguntar: Eu compraria este livro? Está bem “amarrada” esta narrativa? Será que ela vai me cansar? Aborrecer? Procurar os erros é o primeiro passo para que a obra tenha sucesso!

Após este primeiro momento de contato como leitor, é necessário que outros leem a produção. Não com um olhar de análise crítica. Aquele olhar frio como quem diz: “Ahã... Você está nas minhas mãos e eu sei que você errou!”, mas com o olhar de que quer que dê certo e a primeira coisa para o livro dar certo é dar errado.

Errar nas mãos certas é excelente! Dá tempo para uma segunda análise. Para repensar um parágrafo. Para se colocar, novamente, no lugar do leitor. É como cozinhar aquele prato novo somente para a família cobaia. Sabe? Depois de acrescentar sal, tirar pimentão, colocar mais cebola e alho e pôr para cozinhar podemos ver como ficou. Provar de antemão. Receber um grandioso ARG e, escutar a opinião de cada cobaia. Depois, solitariamente, provar a comida, ou o livro, sentir o gosto na boca, na língua, para depois repetir o preparo do mesmo prato, mas desta vez, para as visitas.

Assim é escrever, é preparar um delicioso prato para as visitas. Portanto, ao escrever, devemos ter atenção para os erros para encontrá-los antes de servir com pompa no jantar de gala! 

 

Comentários:

Muito bom Cláudia.

Vejo muitos livros que não tiveram esses cuidados. Eu até anoto nos livros,só de chato (e para treinar). Noutro dia, mandei para um escritor seus erros num livro, e ele ficou surpreso. (que abusado, hein? rs)

Acho que falta, mesmo, essa noção, até para escritores com mais experiência. Talvez sintam que não podem errar, que precisam ser infalíveis ou que seja humilhação submeter-se a outros.

Eu aprendi no trabalho a submeter meus textos ao maior número de pessoas viável.

Abraço.
Jairo Back, PoA 31/08/2016 - 09:39

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "452002" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela