Auto-estima e (falta de) conhecimento

Léo Ustárroz

Em situações frequentes e historicamente recorrentes — a pouco, nas Olimpíadas —, ouve-se muito sobre nosso complexo de vira-latas. Tal complexo seria — na opinião de tantos — uma das principais causas que travam nosso desenvolvimento como povo e nação. Essa expressão, criada por Nelson Rodrigues após a derrota no jogo final da Copa de 1950 para o Uruguai, traduz a “inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo.” E o próprio criador explica que “não encontramos pretextos pessoais ou históricos para a autoestima”.

Se até o início do século passado, Monteiro Lobato e outros afirmavam que a inferioridade do brasileiro era causada pelo excesso de miscigenação e pelo clima tropical — fatores da indolência e falta de vigor —, mais recentemente, o psiquiatra Humberto Mariotti — dentre outros — levantou como causas, aquelas que tem a ver com o conhecimento, ou a falta dele.

Por falta de conhecimento, o trabalhador médio brasileiro tem baixíssima produtividade e falta de qualidade em geral, e o ciclo vicioso completa-se com a pouca ambição e baixos salários. A parte mais frágil nesse processo é o trabalhador menos qualificado, o primeiro a sofrer os efeitos do desemprego. A mudança desse quadro, para uma trajetória virtuosa, passa por investimentos efetivos em educação — com foco nos professores —, mas também pelo enfrentamento da falta de ambição intelectual do brasileiro. E, neste aspecto, cabe a nós — elite deste país —, que recebemos — e aproveitamos —  um quinhão desproporcional ao que a grande massa dos brasileiros recebe, dar o exemplo concreto e estimular o desenvolvimento de novos padrões de comportamentos objetivos, incluindo a leitura, a reflexão e discussão de ideias, sem conclusões pré-concebidas.

Enquanto não construirmos na realidade objetiva razões para elevar a autoestima, nosso comportamento de vira-latas tende a continuar alimentando o complexo de mesmo nome, pois este é apenas o efeito, não a causa.

E nossos campeões olímpicos continuarão chorando muito, em vitórias e derrotas, pois imaginamos que os resultados obtidos tenham a ver com algum merecimento pessoal subjetivo, algo que o mundo nos deve, e não com a preparação para vencer.

 

Comentários:

Parabéns pelo texto, muito bem elaborado!
A mensagem foi passada sem sombra de dúvida..
FERNANDA, SUMARÉ 04/12/2016 - 21:03
Invejável tua lucidez e capacidade de argumentar sobre um tema. Neste, tocaste no fundamento, na causa de uma imagem depreciativa do brasileiro, sem divagações. Parabéns.
Maria Rosa Fontebasso, Porto Alegre RS 26/10/2016 - 10:14
Excelente abordagem, de fato nos falta exemplos para admirar e seguir.
Antônio Rissato, Porto Alegre 26/10/2016 - 09:27

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "100307" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela