Resenha: Só, com peixes, de Adriane Garcia

Sidnei Schneider

Esta deve ser a resenha mais curiosa e inusitadaque já iniciei a escrever. Conheci uma poeta e seu livro, antes apenas amiga de rede social, em minha passagem por Belo Horizonte, com a sensação de sonho por estar diante de uma criadora pródiga emmotivos aquáticos recorrentes na minha poesia, sem que jamais nossos textos tivessem se tocado. Trata-se da poeta e historiadora mineira Adriane Garciae de seu último livro Só, com peixes(Confraria do Vento, 2015), prefácio de Nelson de Oliveira. Antes, ela publicou Fábulas para adulto perder o sono, vencedor do Prêmio Paraná de Literatura Helena Kolody, e O nome do mundo, sendo ex-aluna da oficina do poeta gaúcho Paulo Bentancur, que nos deixou este ano.

O livro começa tratando do universo ao qual estará integralmente dedicado, numa unidade temática que extrapola a mera soma das partes: “Tem vezes que chego em casa/ E tomo um copo de chuva// Desde aqueles tempos em que/ Ivo viu a uva/ A palavra clamava inundação// Na videira o que me interessava/ Era o líquido” (Ébria). Essa ebriedade conquistada através da chuva, marcada pela distensão do tempo da infância à fase adulta, abarcará a vida como ela é vivida nomundo antropomorfizado dos peixes.Ao acolher o conjunto, “O cardume é um peixe só” (Pedra-peixe), possibilita incrível imagem de movimento.

Quem escapa do seu malogrado destino social, num país ultimamente ordenado para carrearverbas públicas e privadas ao improdutivo capital financeiro, merece a atenção da poeta: “Quem vê aquele menino nadando/ Sem jamais blasfemar a água/ De seu batismo// Não sabe que ele é um peixe/ Que escorregou do anzol/ Pro rio” (Sobrevivente). Todavia, seja qual for o assunto, “É preciso saber bem o que se passa/ E não enfiar a boca em qualquer/ Salvação” (Maturidade).

A peregrinação dos salmões, que vão reproduzir e morrer na mesma água doce em que nasceram, gera interessante reflexão acerca da nossa continuidade: “Filhos nunca saberão/ Nadadeiras laceradas/ Exceto quando forem/ As suas” (Salmão). A cor da água-viva fulgura em “É molhada mesmo quando/ Caminha, de mármore, seus passos” (Medusa). A sereia benévola deseja que o canto funcione, sem que, no entanto, o amor se afogue, num título que evoca a cor do mar e um veneno (Cianídrico). Em outro momento, a mulher-peixe é atingida por um arpão: “O homem não se importava com/ Levar uma sereia/ De rosto desfigurado e sem/ Coração” (O arpão). Porém, afirmando-se enquanto peixe-pessoa, “Sendo/ Ela nem precisa/ De espelho” (Sereia).

De nada serve proteger o (ou proteger-se do) amor, dizem versos muito criativos, com termos que não se esperaria ante o tema: “Mergulhar com/ Escafandro/ Não seria um mergulho// Seria como/ Pular de um prédio/ E nãopartir/ A cabeça” (Amor).

A tentativa de uma menina, quando um peixe “Pulou para fora/ Do seu pulso”, não se desenha em oblíqua apologia, mas em superação. Como nos versos de O velho e a morte de Jean de La Fontaine (1621-1695), nos quais um homem cansado de carregar seu feixe de lenha o lança ao solo e clama pela morte, mas quando esta surge com o gadanho, ele apenas roga que o ajude a pôr o feixe às costas: “O peixe significava/ Uma páscoa/ E outra vida” (Menina de crônica depressão).Alguns poemas têm o final tão surpreendente que, para assegurar o prazer da leitura, não me atrevo a citá-lo (A multiplicação dos peixes e Mulher na pescaria).

Os versos “Ninguém se pergunta/ De onde vem a água?” fazem recordar da resposta que ouvi dos habitantes de Mucajaí-Mirim, no interior de Roraima, que costumam se interrogar sobre essas coisas: a água dos rios desceria pelo arco-íris; os filhotes de peixe cairiam do céu dentro das gotas de chuva, o que explicaria sua presença no ambiente circunvalar das lagoas. A voz poética responde a seu modo, escancarando as dores do mundo: “Ninguém desconfia/ Que os peixes choram?” (A origem da água). Mais adiante, no entanto, propõe ir além: “Não vejo salvação alguma/ Se meus olhos constantemente/ Turvam” (A corcunda). Até encontrar nova síntese: “Cegos que/ Finalmente enxergaram/ Para além das lágrimas” (Procissão) e “Depois que passaram lama/ Nos seus olhos/ Ela voltou a enxergar” (Lama).

Fecha o livropoema correspondente, no sentido baudelairiano do termo, ao do início: “Um dia, minha mãe trouxe um cascudo/ Vivo/ Havia fome para comê-lo/ Mas encantamento para pô-lo/ No tanque/ Meus cinco irmãos se cansaram/ De um peixe inerte e escuro/ Eu grudei a minha boca/ No fundo” (Eu, cascalho e cascudo). Pouco antes, ao se encaminhar para a areia,uma espécie de conclusão:“O sol bate nos grãos/ E é tão real/ Do sonho do mar/ Só trago o sal” (Despedida). Seguindo-se nova necessidade, “Estou urgente ávida/ De um sonho” (Afã de outros absurdos), porque, afinal, a poesia-vida continua.

 

Comentários:

Gracias pela leitura e pela divulgação deste trabalho. Grande abraço, Sidnei.
Adriane Garcia, BH, MG 14/11/2016 - 15:25

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "051704" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela