Literatura, leitura e interpretação – Feito à mão

Cássio Pantaleoni

Abrir mão ou manusear, cutucar, segurar, apontar. Estar à mão.

Sabe-se que, muito antes das máquinas, tudo era feito à mão, com apelo ao tempo e à paciência, num capricho. Debulhar o trigo, por exemplo, exigia que se segurasse um punhado de talos juntos, amarrados com barbante para que estivessem firmes. Depois a mão afundava no oco de um pote de barro e os batia vigorosamente contra as paredes para que os grãos se soltassem dos caules. Por último, enquanto uma das mãos segurava um leque ou um pedaço flexível de casca de madeira, a outra jogava os grãos de um recipiente para outro; o vento feito pelo leque soprava de modo a separar o joio.

Assim talvez tenha acontecido com a literatura: ela aconteceu como o debulhar do trigo. O escritor ou o poeta, apelando ao tempo e a paciência, segurava no pensamento um punhado de ideias juntas, as amarrava firmemente com a sintaxe mais apropriada e depois as afundava no oco do papel, batendo-as vigorosamente contras as regras da linguagem, até que o sentido legítimo de suas intenções se soltassem. Depois, com o leque flexível dos olhos, o escritor revisava tudo, buscando retirar o excesso.

A literatura nunca conseguiu superar esse processo de maneira definitiva. As fórmulas literárias delineiam o caminho mais firme para as intenções do escritor, porém não garantem a representação apropriada ao sentido. No melhor caso, apenas parece literatura, mas sem a ardor da paixão, sem o pulsar das têmporas, sem o suor frio das mãos.

As mãos. A literatura precisa andar de mãos dadas com o sentido.

Mesmo quando o escritor alcança o legítimo texto literário não há garantias de que será compreendido. Entre as mãos pedintes dos ocasionais leitores, o que eles pedem, por vezes, é menos do que se entrega. Muito em razão de que há muito não se encontram leitores debulhadores, daqueles que, enquanto leem, seguram a história firmemente, amarradas com a sua curiosidade e, numa pausa repentina, uma pausa promovida pelo representar vigoroso de uma ideia ou forma poética, mergulha-a no oco de sua compreensão, batendo com força nos limites do seu entendimento, até que o sentido se separe do familiar e apareça inesperadamente; depois com o sopro de um deslumbre, ele separa o comum do divino.

Houvesse ainda leitores com tal disposição, com a disposição de promover a arqueologia dos textos literários, e o número de escritores reduziria drasticamente. Seria preciso dar a mão à palmatória e admitir que vivemos uma crise peculiar na literatura: a crise da interpretação. Qualquer escritor que hoje se demore, apelando ao tempo e à paciência, para produzir um texto literário rico de sentidos, é um escritor frustrado. Pois os campos de trigo estão abandonados e já são poucos os leitores capazes de debulha-los.

A literatura, a grande literatura, sempre será artesanal. E o grande leitor sempre será alguém que mira os detalhes. O sentido é refém de uma disposição que não pode se dar ao luxo de andar com as mãos amarradas. Ainda que o frêmito digital nos limite ao cutucar incessante no espelho negro das telinhas, há que se reintroduzir o hábito da leitura caprichosa, a leitura que apela ao tempo e à paciência.

É como a mão miúda das crianças, que experimenta o mundo aos pouquinhos. E tudo faz sentido.

 

Comentários:

Bom dia
Cássio me sinto gratificada ao ler um texto tão criativo e inesperado.
parabéns
dionizia portella ghiggi, pelotas/rs 29/12/2016 - 09:37
Cássio, simplesmente admirei as comparações que fizeste nesse texto. És um mestre no gênero. Indica-me um livro teu para que eu posa adquiri-lo. Parabéns.
Aglaé Machado de Oliveira., Porto Alegre-RS 28/12/2016 - 17:37

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "341109" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela