Liberdade e respeito

Paulo Tedesco

Devemos falar em digital, em livro digital, e que soa quase heresia quando não falamos apropriadamente em leitura digital e da crise do acesso ao livro e do conteúdo. Pois aí é que reside o grande paradigma do início do século XXI, não há dúvida: decifra-me ou devoro-te, compreenda-me ou te consumirei para todo o sempre, por sua apressada prepotência e infeliz escolha.

Pois é preciso demonstrar que existe uma gigantesca incompreensão sobre o papel do livro fora do papel, ou seja, da leitura digital. É preciso, primeiramente, separar a crise no poder aquisitivo que recai sobre o brasileiro comum, da crise que perpassa o mundo editorial tradicional diante das inovações no acesso ao conteúdo e ao conhecimento. Sim, a crise brasileira é uma crise que retira leitores do mercado bruscamente e mantém a velha e sebosa elite com poder aquisitivo com capacidade de compra, e isso tem impacto no consumo do livro e na leitura, não há dúvida.

Claro que não há fórmulas, não há como. Estamos saindo de um ambiente analógico para um ambiente dado a virtualidades das mais diversas. E o que tem algum significado para alguns, para outros não passa de um grifo, aquele leão com asas e patas de águia, ou seja, não guarda sentido de qualquer espécie. Porque há leitores dos mais diversos e leitores novos, porém velhos, e velhos, porém de novos hábitos, e para essa individualização do consumo de conteúdo que vivemos, para essa personalização da leitura (não à toa o fenômeno dos celulares que individualizaram em absoluto nossas outrora comunicações de massas), não há fórmula pronta.

Então, por que não apostar na criatividade e fugir do lugar comum? Por que fazer joguinhos tolos de doar conhecimento e quebrar o ineditismo quando outros sabem cobrar pelo que fazem e produzem? Ou a regra do porco e da galinha vale também no mundo da promoção do livro digital e da leitura? Uns, pequenos, doam seu corpo, outros, grandes, doam nada mais do que alguns ovos?

Novos autores como novas editoras precisam do inédito e não podem ficar doando em prol de cadastros, promoções e outras invencionices, seu ouro maior. Estratégias de promoção são tão antigas como a propaganda e o merchandising, e para isso há quem estude e aprende, e faculdades inteiras, e não sai como franco atirador, porque o que está na estaca é o bem maior do homem, da humanidade: sua liberdade e seu conhecimento, e nisso há muito, mas muito mais do que índices de mercado e tabelas de crescimento.

Por fim, é à pressa que devoto esse artigo. Porque a pressa torna-se nossa inimiga nesses tempos multiconectados, e a pressa de enriquecer, de se achar a lâmpada mágica da riqueza, é o que condena ao medíocre as boas obras de arte. Se um autor de qualidade por vezes toma tempo na elaboração do clássico, por que uma editora, que se propõe a ter bons livros no catálogo, deve sequer pensar em caminho diferente? Sim, temos o sistema que nos pede resposta, mas, também, sim, temos um futuro que nos pede inteligência e sabedoria, sobretudo.

 

Comentários:

Gostaria de fazer um curso de Escrita, oficial, memorando,cartyas, redação.,
Edemilton Mendes Dos Santos, São Paulo 04/02/2017 - 15:50

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "010007" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela