O que ler nos intervalos?

Cláudia de Villar

Definitivamente, somos movidos pela inquietude e as nossas contradições nos fazem refletir, às vezes, sobre os nossos intervalos. Após um ano inteiro de trabalho, tendo mentes e corpos tomados pelas cobranças das labutas diárias nos depararam com um novo ano e, com ele, as férias. Já não temos mais os pequenos intervalos e aquele turbilhão de coisas para fazer em minutos. Agora temos horas, dias e, em alguns casos, meses de um vazio clamando para ser preenchido. E como iremos preenchê-los? Quem sabe, lendo.

Ora, ora, agora temos um grande intervalo de minutos vazios. E, por que não preenchê-los com a leitura? Talvez seja esta uma proposta um tanto quanto desafiadora. Afinal, quem gosta de ler nas férias? Não vale aqui citar leitores vorazes, escritores atrás de novas possibilidades ou editores em exercício do seu ofício. Aí não vale, não. Pois este conjunto de pessoas citadas não são pessoas “comuns”. Não, estas são pessoas iluminadas, picadas pela abelhinha da necessidade da arte de ler. Queremos aqui falar das pessoas que não foram ainda seduzidas pelo hábito da leitura. Aqueles que nos minutos esmagados dos pequenos intervalos dos seus ofícios, que têm que decidir entre o café, um cochilo e um xixi, mal têm tempo de abrir um livro. Falamos aqui daqueles que, quando compram um livro, geralmente na Feira do Livro, pois raramente compram um livro “fora de época” ou ganham de amigos, têm que parcelar suas leituras, muitas vezes, levando meses ou até um ano para dar cabo de um único livro. Será que este cidadão incluirá um livro em suas férias? Somos sim, movidos pela contradição. Antes reclamando da falta de tempo para ler e agora, o tempo de sobra suplica por não precisar pensar. Ler é o exercício do pensamento. Quem quer pensar nas férias? Quais livros “combinam” mais com o mega intervalo?

Por fim, o que ler nos intervalos? Quais títulos devem ser recomendados? Ler ou não ler? Eis a questão. Certamente, a leitura nesta época deverá ter o dom milagroso da conquista de um leitor. Com certeza deverá ser uma leitura que flua sem barreiras por entre as cabeças suplicantes por um vazio que acalme o corpo e o coração. Entretanto, aquele livro que conquistar um novo leitor, construindo nele o hábito de ler, ganhará mais do que um leitor, ganhará um multiplicador de pensamento e estes seres devem ser reverenciados, pois o pensar nos faz avançar em nossos passos e movimenta a vida cotidiana do ser.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "544606" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela