Turma da Mônica – Laços, o filme

Jacira Fagundes

Gosto muito de tecer comparações entre as duas artes – a literária e a cinematográfica. Literatura e Cinema são duas paixões.

Pois foi aproveitando as férias escolares, que me juntei às duas netas e seus pais e fui ao cinema assistir “Turma da Mônica - Laços”. Aprecio imensamente o Maurício de Souza. Leio sempre suas tirinhas que saem na Zero Hora. Adoro seus personagens e suas tiradas incríveis e por demais inteligentes.

Mas, antes de me deter nos detalhes da película, preciso falar justamente sobre o antes. Sobre aqueles rojões que nos foram arremessados pela telona, de forma avassaladora, insistente e indelicada. Dez ou quinze minutos de comando para toda espécie de compras dentro e fora da sala de cinema. Propagandas e mais propagandas de tudo que é tão oneroso quanto dispensável – de brinquedos a celulares, de baldes de pipoca gigantes a descomunais copos de refri e muito mais.

Até que, depois do bombardeio, abriu-se a telona para o filme. E aí sim, tudo passou a valer a pena.

Se os personagens-desenhos do Maurício nos fazem vibrar de emoção, imaginem os mesmos personagens representados por crianças de verdade transmutados em ótimos atores Mônica com seu orelhudo, Magali com sua eterna fome, Cebolinha trocando os erres e Cascão e sua aversão à água, estão esplêndidos. Cada um, no estilo que conhecemos, rouba a cena, desmonta o adulto que trouxemos conosco e nos transforma em crianças a viver também com medo e valentia cada aventura dos quatro. Acompanhá-los na busca do cãozinho Floquinho, no enfrentamento com o bandidão ladrão de cães e na construção de planos mirabolantes para o sucesso da empreitada, é o que a história do filme nos exige. E lá estou eu junto com as netas e todas as crianças espectadoras – porque o cinema estava cheio naquela segunda feira – apertando as mãos e esfregando uma na outra com força para tudo dar certo.

Daniel Rezende, o diretor, é preciso nos detalhes, e nos traz outros personagens do Maurício como Dona Cebola e o Louco, este muito bem caracterizado. O próprio criador se faz presente em dado momento. Ele mesmo – o Maurício de Souza – com seu sorriso cativante, comparece no filme.

O diretor priorizou a natureza com os campos abertos, os lagos e o agreste da serra. Os personagens exploram o ambiente, ora caminhando, ora correndo, ora montados em suas bicicletas. Tudo muito autêntico e mostrado com simplicidade. Assim como deve ter sido escrito o roteiro. Trazer a força da amizade se sobrepondo ao individualismo e à descrença no outro. São episódios marcantes que vão sendo delineados a cada etapa.

E então eu volto ao que mencionei antes a respeito dos dez ou quinze minutos de bombardeio de propagandas que poderiam ser evitados. Enquanto a indústria cinematográfica (aquela fatia do processo que não tem nada a ver com cinematografia) investe no consumo exagerado, que quer convencer a crianças que o celular, ou o novo brinquedinho ou a roupinha da moda é que garantem a felicidade a qualquer custo, o verdadeiro cinema mostra que não é bem assim. Ainda é a aventura, a amizade, as brincadeiras ao ar livre e as invencionices entre os pequenos que farão deles crianças fortes, saudáveis e felizes.

Pelo menos nas aberturas de filmes dirigidos aos pequenos, não houvesse tal discordância entre o que a criança veio assistir e o que a indústria do consumo quer impingir como necessidade. Cabe a nós, adultos, condenar tal disparate e a falta de bom senso.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "221111" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela