O nome das personagens

Marcelo Spalding

Eu já batizei personagens e filhos e posso dizer: batizar uma personagem é bem mais difícil. Ocorre que a personagem você batiza depois que ela existe como forma de representar suas características ou pelo menos ajudar nessa composição. Já um filho você batiza sem saber sua cor, sua personalidade, seus sonhos.

Numa ficção, não veremos o nome de Clara numa personagem de pele escura, a não ser que esse seja o conflito ou parte do conflito da trama. Não veremos um apelido diminutivo para um bandido ou um personagem grande, a não ser com objetivo cômico. E não teremos um sobrenome de origem alemã numa personagem ou trama que não tenha nenhuma relação com a colonização alemã.

Dar nome aos personagens, portanto, requer cuidado e planejamento. Você deve considerar, em ordem:

1) A personalidade da personagem;
2) A sonoridade do nome;
3) Se o nome não é semelhante a outros nomes da trama;
4) A possibilidade que o nome dá de apelidos ou contrações, a fim de evitar sua repetição excessiva.

Em um de meus livros, Vencer por Linhas Tortas, mudei o nome de duas personagens ao longo da escrita. Uma delas se chamava Jane, era uma homenagem a uma escritora amiga. Só que o livro é juvenil, e nessa faixa etária quase ninguém se chama Jane. Sem contar a velha referência a Tarzan. Mudei para Marília, mais fácil. Outro personagem se chamava Charles. Só que a história se passa num país africano de língua portuguesa em que chegou um imigrante inglês, Michel, que disputava espaço com os moradores do local. O Charles era nativo daquele país de língua portuguesa, então troquei o nome para Júlio, evitando a confusão.

No mesmo livro, o nome do protagonista foi escolhido de forma consciente, para evitar a repetição: Carlos Eduardo. Alguns, na história, o chamam assim, inclusive o narrador, algumas vezes. Mas seu apelido Cauê é o mais usado. E a avó, quando conversa com o neto, o chama de Carlinhos. Foi uma técnica útil porque nem precisava dizer que era a avó quem falava, pois só ela chamava o protagonista de Carlinhos.

Nunca use nomes próprios completos de pessoas conhecidas. E eu diria que você deve deixar de usar nomes de conhecidos em personagens que possam lembrá-los. Isso, além de impedir processos judiciais, evita constrangimentos. Eu mesmo, em outro livro, As cinco pontas de uma estrela, em que há cinco protagonistas, atribuí inicialmente uma letra para cada um: A, B, C, D e E. Depois é que fui escolhendo os nomes. O quinto se chamaria Eduardo, nome do meu irmão e um nome comum com a letra E. O problema é que o personagem se envolve com drogas na história e meu irmão tinha 14 anos na época: imagina a reação da minha mãe ao ler o livro! Mudei o nome para Eloi. Ninguém se chama Eloi por aqui.

É muito comum, principalmente em contos, o autor não dar nome a seus personagens. A vantagem é que esse personagem pode ser qualquer um, aumentando a chance de nos identificarmos com ele. Só que a grande desvantagem é o texto ficar confuso, em especial se há mais de um personagem. Aí seremos obrigados a usar muitos “ele/ela” e isso dificultará nosso texto mais do que ajudará.

Na dúvida, portanto, opte por nomes simples como João, Pedro, Ricardo, Carolina, Isabel. Só use nomes compostos se fizer sentido para a história, se for uma informação relevante para o enredo ou se isso ajudar a compor a personalidade da personagem. Alguns autores procuram o significado dos nomes, a simbologia ou até a numerologia. É uma possibilidade, mas não precisa revelar ao leitor, são informações de bastidor.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "572508" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela