Pecadora, de Nana Pavoulih

Dani Marques

A começar pelo título e pela capa do livro “Pecadora”, de Nana Pavoulih (editora Essência), podemos ter uma ideia equivocada sobre o tema tratado na obra. E falo isso por experiência própria, pois achei que era mais um livro que segue a linha do gênero “romance erótico” dos tempos atuais.

Para a minha surpresa, “Pecadora” é muito mais que isso. Ele conta a história de Isabel, uma jovem mulher de 22 anos, que foi criada dentro da igreja evangélica e é obrigada a seguir seus princípios e regras, caso contrário irá diretamente para o inferno. Os pais da moça são tão rigorosos que, em determinado momento, seu pai cria uma igreja própria, por acreditar que a que eles frequentavam era muito “livre”.

Mas ao contrário do que lhe é ensinado sobre o comportamento de uma mulher “temente a Deus”, Isabel é uma pessoa com vários impulsos sexuais. Tendo se casado muito cedo com um rapaz com o pensamento opressor igual ao do seu pai, toda a relação sexual que conhece é a que envolve o marido levantando seu vestido (sempre longo até os joelhos) e consumando o ato sem se preocupar com o que ela sentia. Aliás, o esperado era que ela não sentisse nada, ou até mesmo odiasse o ato, já que quando demonstrou gostar, foi duramente reprimida pelo cônjuge.

Mas Isabel não consegue parar de pensar em sexo, e ao mesmo tempo se sente suja e errada por isso. Ao conhecer Enrico, um amigo do seu marido, esses desejos se tornam ainda mais intensos e, quando começa a trabalhar com ele, temos o desenrolar de um romance, mas o destaque está na sua libertação. É impossível não se emocionar com a primeira vez que ela usa os cabelos soltos, passa batom e veste uma calça jeans. Pequenas coisas que, para ela, são passos enormes.

Enrico é agnóstico, não acredita em Deus, mas não é contrário à fé. Ele a apoia e a ajuda a se libertar de preconceitos e limitações, ao passo em que a ensina sobre seu próprio prazer, deixando-a realizar suas fantasias e fazendo-a entender que ela não é errada por sentir prazer físico.

Outro ponto para “Pecadora” são as músicas apresentadas na obra. Uma delas é “Eu quero ser feliz agora”, de Oswaldo Montenegro, que fala justamente da relação entre ter medo e religião. Sem spoilers, mas é preciso falar também que o final do livro é maravilhoso e não deixa nada a desejar.

Em resumo, “Pecadora” defende que é possível ser uma mulher livre, sem que para isso seja preciso deixar tudo o que acredita para trás. Essa leitura me mostrou tanta coisa. Percebi que mesmo não tendo sido criada dentro da igreja e não seguindo nenhuma religião, fui lapidada para “não fazer isso”, “não falar aquilo” e, assim como Isabel, para não ser uma “vadia”.

Considero este o meu livro favorito, e se posso indicar a alguma mulher, o faço com orgulho. Sejamos livres, manas!

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "271909" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela