O desafio das incertezas

Jacira Fagundes

Sempre houve e ainda persiste pelo tempo, o fascínio fantasioso do homem comum por tudo que possa provocar susto e pavor. Mais como espectador do que como protagonista, mas assim mesmo, um fascínio que se deseja de permanência saudável e segura. É uma angústia seguida de um alterar de emoções que vão do susto ao medo.

O cinema e a literatura contribuem para deixar assolar tais sentimentos que, na maioria das vezes, suscitam inquietude. Porém o homem os aprecia e consegue dominá-los porque, afinal, é tudo imaginário e distante da sua realidade. E foi, em grande parte, através deste imaginário, que ele percorreu caminhos no exercício de vencer medos.

Por vezes, ainda como espectador, ele vai alguns passos além, preso a notícias veiculadas no jornal e TV. Se está ali sentado na sua poltrona predileta, o acontecimento, por mais horrendo que seja, lhe garante distância. Não aconteceu com ele, nem com sua família, nem com algum conhecido. Embora real, não o atinge a ponto de provocar ameaças.

Só que a vida não é assim tão dividida entre o real e o imaginário. Há um componente nisto tudo com a capacidade de tirar o prumo de qualquer um, de fechar o sujeito num beco sem saída jogando feio com múltiplas emoções não desejadas. O nome disto é incerteza.

O imprevisível acontece. Percorrer o caminho das incertezas faz a pessoa desconfiar de seus instintos e, por vezes, recuar pela ausência de chão. É penoso sentir-se travado – para onde eu vou? O que me espera no fim do túnel? Será preciso abandonar as certezas e, talvez, juntar-se a outros tantos na busca de saída – quem sabe?

Bom se pudesse voltar aos cenários conhecidos, controláveis, previamente planejados com alta possibilidade de sucesso. Mas o real e o imaginário se entrelaçaram e o surpreenderam antes de qualquer gesto de fuga. Se não dá para fazer o futuro caber num espaço confiável, talvez se precise abandonar temporariamente as certezas e seguir a intuição. Mesmo que assolem dúvidas, mesmo que não se tenha a garantia entre os cinco dedos das mãos.

Mas valerá a tentativa, se entender que as dúvidas podem ser produtivas e direcionar o rebanho todo, garantindo algo bem maior do que certezas obsessivamente controladas. É no que ele aposta, embora excluído de tal segurança – a troca será interessante e o caminho, embora desafiador, deverá trazer benefícios para a humanidade.

 

Comentários:

Ler JACIRA FAGUNDES é a certeza de ler um bom texto, de análise lúcida e inteligente.
Enilda Alves, Porto Alegre (RS)01 09/04/2020 - 19:54

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "185201" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela