A Fábula do Cuidador

Sandra Radin

Marilice Costi foi de uma felicidade ímpar ao valer-se de uma flor, Edelvais, para nos falar de sentimentos e da forma com que nos vinculamos aos outros. Através dessa personagem ela nos convida a irmos também em busca daquilo que a nossa alma almeja.

Vamos encontrar nessa obra também a abordagem extremamente criativa entre a razão e a emoção, entre o feminino e o masculino. Através da suavidade e leveza de Edelvais vemos o quanto ela transita nas emoções e fala de sentimentos através de um feminino maduro e equilibrado. O masculino representado pelo cavalheiro e suas tantas armaduras das quais se vale para não encarar de frente suas dificuldades de se relacionar. Prefere se mantém aprisionado em suas próprias crenças. Aqui somos convidados a refletir sobre as relações homens e mulheres, na dificuldade de entrega, no jogo de sedução e no quanto na maioria das vezes, homens e mulheres falam línguas diferentes e desejam coisas diferentes.

No interdito Marilice provoca a transformação e o amadurecimento desse homem para acompanhar a mulher madura e pró-ativa da modernidade. Nos instiga a fixamos o olhar nas nossas relações muitas vezes marcadas por egoísmo, individualismo e dificuldade de doação e compreensão do outro, bem como, ausência de empatia.

A sensibilidade e a sabedoria da autora ao se valer de uma flor para falar de questões tão importantes no autoconhecimento de cada um de nós, é elogiável.

Sem ficar pesado, falando de forma lúdica, trata do processo de amadurecimento, desapego de crenças limitantes, conquista da liberdade e transformação através de alegorias e metáforas muito bem construídas.

Através da gaivota ela nos convida a não nos conformar com o que esta posto, nos reinventarmos sempre, estabelecermos novos vínculos e alçarmos novos e necessários voos.

Com muita facilidade ela insere outras fábulas, presentes na nossa infância, fazendo com que visitemos e cuidemos de nossa criança interior. O tempo todo os conflitos são encarados com leveza e sabedoria, como por exemplo o medo da solidão e a dificuldade de se desapegar de um amor que não nos complementa, que é tóxico ou doentio. De forma simbólica nos convida a tirarmos as vendas que cobrem nossos olhos e dando asas a imaginação, viver novos desafios e amores.

Poderia seguir escrevendo muito mais, dissecando cada palavra e reflexão da flor Edelvais que tem “miolos de inventar” mas me contenho e encerro com as palavras dessa linda flor.

“Começa outra edelvais assim
que encolhe, esfria, escorre e se refaz,
compondo asas ao sair de mim”

 

Comentários:

Muito obrigada!!! Que linda tua visão sobre meu trabalho. Uma alegria perceber que a leitura foi feita
Marilice costi, Porto Alegre 11/10/2021 - 19:40

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "054308" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela