Sugestões de Livros de Criação Literária e afins


A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil, Kátia Regina Souza - clique aqui para comprar
A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil é um livro fundamental para quem deseja ser escritor ou está começando na carreira. Embora foque na literatura fantástica, aborda de forma franca e clara questões palpitantes do mercado editorial, como a dificuldade de encontrar uma editora, a publicação independente, as armadilhas a que o autor iniciante está sujeito, as desilusões e as pequenas conquistas. Mais do que traçar a trajetória de uma geração importantíssima de autores, este livro é um documento sobre essa grande quantidade de leitores-escritores atuais.

Fundamentos à prática de revisão de textos, de Mayara Espíndola Lemosclique aqui para comprar
Fundamentos à prática de revisão de textos propõe pensar o papel do revisor dentro da complexidade dessa atividade profissional. Esta obra vem preencher uma grande lacuna no cenário da revisão de textos no que tange a publicações, trazendo esclarecimentos aos iniciantes, servindo de apoio a profissionais e professores da área e contribuindo ao desenvolvimento de um olhar coerente e responsável sobre o ofício.

Sobre a escrita, de Stephen King
Excelente livro sobre o processo de escrita, indispensável para leitores de King, mas muito útil também para quem não conhece ou não aprecia a obra do famoso escritor. Na segunda parte, aborda técnicas e reflexões sobre a escrita de forma prática sem ser acadêmica ou pedante, valendo-se de ironia, sarcasmo e sua vasta experiência como professor e escritor.

Palavra por palavra, de Anne Lamott
Uma mescla de auto-ajuda para escritores e técnicas de criação. Com o subtítulo "Instruções sobre escrever e viver", alterna algumas reflexões sobre a criação literária com interessantes tópicos técnicos, alguns deles utilizados nesse curso, como sobre personagem e diálogo.

A louca da casa, de Rosa Monteiro
Um livro sobre escrita, imaginação, loucura. Mescla de memórias com livro sobre a escrita de romances, Rosa propõe reflexões profundas e delicadas em um texto de rara honestidade, com histórias deliciosas sobre escritores conhecidos.

Palavra por palavra, de Anne Lamott
Uma mescla de auto-ajuda para escritores e técnicas de criação. Com o subtítulo "Instruções sobre escrever e viver", alterna algumas reflexões sobre a criação literária com interessantes tópicos técnicos, alguns deles utilizados nesse curso, como sobre personagem e diálogo.

O herói de mil faces, de Joseph Campbell
`O herói de mil faces`, Joseph Campbell - reconhecidamente, um dos maiores estudiosos e mais profundos intérpretes da mitologia universal - apresenta o herói compósito; Apoio, Wotan, Buda e numerosos outros protagonistas da religiões, dos contos de fada e do folclore representam simultaneamente as várias fases de uma mesma história. O relacionamento entre seus simbolos intemporais e os simbolos detectados nos sonhos pela moderna psicologia profunda é o ponto de partida da interpretação oferecida por Campbell.

A arte da ficção, de David Lodge
Originalmente publicado como colunas semanais no jornal  The Independent on Sunday, o livro traz cinquenta artigos sobre o romance, sempre partindo do trecho de uma ou mais obras e comentando sua construção. Lodge, segundo suas próprias palavras no prefácio, tinha a pretensão de fazer um livro para "pessoas que preferem ter contato com a crítica literária em doses homeopáticas, um livro que não tem a pretensão de ter a última palavra em nenhum dos tópicos que abrange, mas que vai, espero, aguçar o entendimento e o proveito que os leitores tiram da prosa de ficção e sugerir novas possibilidades de leitura ? quem sabe até de escrita ? dessa que é a mais variada e a mais proveitosa de todas as formas literárias". A preocupação de Lodge não é, portanto, ensinar a arte da ficção, e simapresentá-la a leitores de romance.

Seis propostas para o próximo milênio, de Ítalo Calvino
Um dos grandes nomes da literatura mundial no século XX foi, sem dúvida, Italo Calvino, autor de obras como PalomarSe um viajante numa noite de invernoAs Cidades Invisíveis e o célebre e produtivo Seis propostas para o próximo milênio. As seis propostas, também conhecidas como lições americanas, são um conjunto de seis palestras que seriam proferidas na Universidade de Harvard em 1985, mas o autor faleceu repentinamente antes de escrever a sexta conferência, sobre a consistência, e antes de proferir as palestras, que foram publicadas postumamente, em 1988. A obra é um verdadeiro inventário de propriedades/convenções que seriam valorizadas pela arte no "próximo milênio", o nosso milênio, enfocando a leveza, a rapidez, a exatidão, a visibilidade e a multiplicidade.

Valise de Cronópios, de Julio Cortázar
Cortázar é um grande contista e um fabuloso teórico do conto, com contribuições magníficas, muitas delas reunidas nesse "Valise de Cronópios". Muitos dos conceitos e das imagens que trabalhamos neste curso surgem dos textos de Cortázar, como a ideia de tensão e intensidade.

Poética, de Aristóteles
A Poética é o mais antigo dos livros conhecidos que trata de técnicas literárias, muitas delas em voga ainda hoje, como a representação e a verossimilhança. Aristóteles, discípulo de Platão, considerava a arte uma representação válida da vida, diferentemente do mestre, para quem a arte era reles imitação. É de Aristóteles, por exemplo, o conceito de catarse, fundamental para a arte como um todo.

O Prazer do Texto, de Roland Barthes
Barthes foi um dos mais produtivos pensadores do século XX, e um de seus textos mais belos e enigmáticos é este O Prazer do Texto, em que ele, por exemplo, compara a criação literária a um strip-tease. Outro texto que gosto muito de Barthes, embora de uma outra fase, mais estruturalista, é o Análise Estrutural da Narrativa, texto fundamental para quem irá trabalhar com narrativas do ponto de vista acadêmico.

O laboratório do escritor, de Ricardo Piglia
Piglia é um dos mais contemporâneos autores e teóricos argentinos do conto, vindo de uma tradição de nomes como Borges, Cortázar, Sábato. O seu texto "Onze teses sobre o conto", publicado no livro O laboratório de escritor, é de uma concisão e clareza absolutas.

Cartas a um jovem escritor, de Mario Vargas Llosa
A obra faz parte de uma coleção que vai desde  Cartas a um jovem chef até Cartas a um jovem herdeiro, passando por um livro com cartas a jovens políticos escrito por Fernando Henrique Cardoso. Mas esqueçamos o caráter comercial da coleção, que não prejudica o ensaio de Llosa e talvez até explique alguns comentários superficiais. Já nas primeiras páginas, o romancista pergunta: por que dedicaria seu tempo a algo tão efêmero e quimérico ? a criação de realidades fictícias ? aquele que está intimamente satisfeito com a realidade real, com a vida que leva? "A ficção", dirá então Llosa, "é uma mentira que encobre uma verdade profunda, é a vida que não foi, a que os homens e mulheres de determinada época quiseram levar e não levaram, precisando, por isso, inventá-la". 

Do que eu falo quando falo de corrida, de Haruki Murakami
O célebre romancista japonês escreve um belo ensaio sobre a corrida, mesclando sua experiência como corredor com sua experiência como romancista. Para quem valoriza a prática de exercícios físicos, é uma leitura muito interessante.

Guia Prático do Português Correto, de Claudio Moreno
Coleção de quatro volumes (ortografia, morfologia, sintaxe e pontuação) que reúne perguntas enviadas por leitores do professor Moreno e suas respostas, sempre dadas com concisão, precisão e algum humor. Moreno, além das perguntas e respostas, faz breves introduções para cada tema que, se reunidas, poderiam formar uma concisa descrição do sistema da língua portuguesa, tamanha a qualidade de seus recortes e de sua didática.

Perca o medo de escrever, de Inez Sautchuk
Um excelente livro para a produção textual (não especificamente criativa). Contém capítulos sobre clareza, coesão, organização, sempre enfocando o aspecto estrutural (sintático) da língua, mas de forma lúcida e descomplicada.

Versos, sons, ritmos, de Norma Goldstein
Versos, sons, ritmos trata da análise do poema como um procedimento didático cujo ponto de chegada é a recuperação da unidade do texto poético, no momento da interpretação. Sem perder de vista essa unidade, a autora, professora da Universidade de São Paulo, mostra as possibilidades de aprofundar a leitura do poema por meio de recursos fônicos e rítmicos: metrificação, rimas, versos, estrofes.

 

Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela